Pés Para Dentro Ou Para Fora Do Pano?

Bebê no útero em fase final da gestação
Dentro do útero, os bebês têm pouco espaço para se esticar, para qualquer lado que eles tentarem, terão sempre algo em que encostar porém estão em meio acquoso, ou seja, dentro do líquido amniótico não tem pressão ou peso em nenhuma parte do corpo deles.
Recém nascidos naturalmente se aninham, formam uma curva em C com a coluna. Todo bebê adota essa posição em maior ou menor grau como reflexo intrauterino, a posição que eles passaram por pelo menos 4 meses desde que começaram a ocupar mais espaço no útero.
A função dos carregadores ergonômicos é imitar a posição natural de um bebê nos braços, sem forçá-los, sem alterar essa postura natural,passando segurança ao bebê.
Bebê aninhado no colo em posição fetal
Observando então a postura natural dos bebês recém nascidos, percebemos os seguintes pontos:
- Pernas retraídas/encolhidas,
- Joelhos na altura do umbigo,
- Mãozinhas próximas ao rosto,
- Coluna curvada,
- Quadril flexionado para frente.

A abertura das pernas vai de acordo com cada bebê, uns já nascem com as perninhas mais separadas, outros mais juntinhas e isso também é respeitado ao usar o sling.
Ao posicionar o bebê você pode juntar os joelhos em frente à barriga dele, entre ele e você, uma forma de posicioná-las no "ponto zero" de abertura. O bebê vai se acomodar da maneira mais confortável para ele, vai se aninhar e abrir as pernas naturalmente caso seja necessário. Você não precisa ter medo de estar abrindo demais as perninhas se foi o próprio bebê quem se posicionou dessa maneira! 😉

Antes de mais nada é importante frisar que posicionar os pés do bebê fora do pano não interfere na questão da abertura das pernas.
Os pés dentro do pano, ou seja, o bebê sentado sobre os pés, as articulações de tornozelo, joelho e quadril são pressionadas pelo corpo do bebê contra o tecido, o que pode prender a circulação sanguínea, machucar as articulações, não permite a livre movimentação e ainda estimula o reflexo da marcha e deixa o bebê cansado e irritado por tentar vencer aquele estimulo que está recebendo constantemente.


Com os pés fora do porta-bebê é possível observar se ambos os joelhos estão na mesma altura e se o quadril e a coluna estão devidamente alinhados, garantindo uma postura adequada. O bebê fica de cócoras, com os joelhos mais altos que o bumbum, o sling segurando o peso dele de um joelho ao outro (coxa-bumbum-coxa), deixando as canelas e pés livres. Evitamos, assim, que acidentalmente o peso recaia nos pés e tornozelos pois o peso do bebê fica distribuído e recai sobre bumbum, o que resulta confortável e não força nenhuma articulação, a estrutura quadril-fêmur bem encaixada de maneira natural assim como os próprios bebês retraem as pernas naturalmente durante os primeiros meses (inclusive é essa a posição de tratamento para a displasia de quadril com o suspensório de Pavlik). Ainda, com pés para fora os bebês são capazes de se estabilizar melhor em relação ao movimento de quem os está carregando além de ter mais chances de se movimentar e aos poucos ativar a musculatura das pernas.

Uma situação que ilustra bem o risco de manter os pezinhos para dentro do pano, com o bebê sentado sobre os pés, é o que aconteceu com a minha cliente Vanessa e o baby dela no início de 2016, quando o bebê (aparentemente, não tenho laudos para comprovar nada) deslocou o pé ao ser carregado dessa forma. Veja parte da conversa abaixo:
Identidade da mãe preservada.
Em outra consultoria, a Vitória (bebê prematura que estava com 45 dias na ocasião) se esticava toda só de passar a mão ou resvalar o pano na sola do pé dela. Travar os pés dentro do carregador quase fez a mãe dela desistir de carregá-la no sling. Acertamos a cruz envolvente e ela dormiu tranquila por horas a fio.

Dito isto, gostaria de mencionar que há outras linhas de ensino que insistem em carregar com os pés para dentro até os 3 meses de idade. Não há nenhum impedimento, regra ou lei que exija uma ou outra maneira e sim a sua percepção do que você e seu bebê vão se adaptar melhor. Para mim (pessoalmente e profissionalmente) o que faz mais sentido é carregar com os pés para fora e por isso defendo e transmito essa linha de ensino. Experimente se sentar numa rede sobre seus pés e me diga por quanto tempo consegue permanecer nessa posição.
Outro parêntese: cobrir os pés é diferente de colocar o bebê sentado sobre os pés. Muitas civilizações que preservaram o hábito de carregar os bebês com tecidos estão em locais de climas extremos e é necessário aquecer os bebês, então não dá pra deixar os pés expostos mesmo!

É uma questão de adaptação ao que fizer mais sentido para você e sua família. 💝

0 Comentários