Big Brother, little sister

Então, meu filho já é um rapaz, tem 11 anos! ONZE! Como passa rápido, ou não...
Como filho de pais separados, ele curtiu bastante a coisa de ter duas casas, foi o xodó caçula na casa da família do pai com todos os tios, primos e avós para babar e tempos depois acabou ganhando uma irmã por lá por quem ele é louco de paixão. Então, a cobrança de ter um irmãozinho não fez parte de nossas vidas por aqui.

A descoberta da nova gravidez veio em um momento de transição, tínhamos acabado de nos mudar para a Itália, readaptação, procura de emprego novo, escola nova, filho novo! E AGORA?!   
A primeira reação do Matheus foi: e agora, mãe? A segunda reação dele foi: "tenho medo que você passe mal sozinha em casa". (Vomitava muito e passava dias sem conseguir comer nos primeiros 2 meses) Assim, ele ia para a escola preocupado comigo. Muita conversa e foi resolvido. 

Acostumado com a ideia do bebê, passou a curtir e desejar um irmão, já que já tinha uma irmã, para equilibrar as contas. Ficou levemente desapontado com a notícia de que temos uma menina a caminho mas logo se colocou no papel de irmão mais velho, dizendo que vai "proibir" de sair de roupa curta quando ela for adolescente, aquelas coisas de irmão. Está curtindo!

O que tem me incomodado de verdade, são as outras pessoas. Logo que sabem que ele vai ter uma irmã já disparam: "Ah, que legal! Vai TER que cuidar dela, né?!" 
Gente, não! Irmão é pra perturbar, implicar, brincar, se divertir, reclamar que pegou os brinquedos sem avisar. Cuidar não! Não é porque ele é maior, a diferença de idade é grande, que ele terá responsabilidade com ela. Já conversamos e ele sabe que vou precisar da colaboração dele quando ela nascer, que eu estarei meio ocupada demais para dar atenção a pequenos detalhes como juntar os brinquedos espalhados ou deixar o uniforme em cima da cama enquanto ele toma banho pra se arrumar e assim ele vai precisar ser mais cuidadoso com as coisas e os horários dele, com os estudos, para que não se perca mas que eu estarei aqui, acompanhando os passos dele sempre. 
Mas a bebê é minha e não dele, eu sou a mãe e a Alice tem um pai maravilhoso. O irmão, vai ser O irmão, aquele que perturba e faz dar gargalhada! Não coloquem esse peso nas costas dele!

0 Comentários